Inflação da Argentina recua para 8,8% em abril

O paĂ­s registra o 4Âș mĂȘs consecutivo de queda nos preços

Por Jota Silva em 15/05/2024 às 07:13:01

O Instituto Nacional de EstatĂ­sticas e Censos (INDEC) da Argentina divulgou nesta terça-feira, 12, que a inflação do paĂ­s recuou para 8,8% em abril, depois de ter sido de 11% em março. Esse Ă© o quarto mĂȘs consecutivo de queda nos preços, que haviam atingido um pico de 25,5% em dezembro.

No entanto, o Ă­ndice de inflação acumulado nos Ășltimos 12 meses continuou a subir na Argentina ïżœ- chegou a 289,4%, o maior valor registrado em dĂ©cadas. Em março, essa soma anual estava em 287,9%.

Os dados do INDEC mostram que o setor de moradia, ĂĄgua e energia foi o que mais contribuiu para a inflação em abril, com uma variação de 35,6%. Em seguida, os setores que mais influenciaram foram comunicação (14,2%), vestuĂĄrio e calçados (9,6%) e saĂșde (9,1%).

Argentina lança cĂ©dula de 10 mil pesos

Em um esforço para conter a inflação, o Banco Central da Nação Argentina lançou uma nova cĂ©dula de ARS$ 10 mil (pesos), equivalente a R$ 58 na cotação atual. AtĂ© então, a nota de maior valor em circulação era de ARS$ 2 mil, cerca de R$ 12,60.

O Banco Central da Argentina informou que as novas cĂ©dulas serão distribuĂ­das gradualmente nos bancos e caixas eletrônicos do paĂ­s. AlĂ©m disso, uma nova nota de ARS$ 20 mil, equivalente a cerca de R$ 115,90, estĂĄ prevista para ser lançada atĂ© o fim deste ano.

De acordo com o jornal argentino ClarĂ­n, as estimativas preliminares do INDEC para maio são positivas. Os analistas esperam que o registro deste mĂȘs feche entre 4% e 5%. O Ă­ndice foi empurrado para baixo, depois que o governo de Javier Milei decidiu travar o aumento das tarifas de eletricidade e gĂĄs, que estavam previstos para o mĂȘs. 

Fonte: Revista Oeste

Comunicar erro

ComentĂĄrios